PortVitoria: a cultural magazine of the Luso-Hispanic communities. Newsletter-2-2011

PortVitoria Newsletter

No 2 – Aug 2011

 About PortVitoria

We are a registered independent educational magazine dedicated to the Hispanic and Lusophone communities worldwide as well as to speakers of English, Portuguese and Spanish as a second language.

http://www.portvitoria.com/about_us.html

 PortVitoria’s  First Anniversary

July 2011 marked the first anniversary of PortVitoria (PV). The greatest achievement of the first year was to bring onboard a team of volunteer translators and revisers. Another achievement is the fact that after the initial twelve months PV started to appear on Google and other search engines in the UK, Brazil and Spain.

We aim to continue to offer quality and relevant content to our Spanish and Portuguese speaking readership. A counter was only added to PV in August 2011, and for that reason the total number of visitors appears small. You can help to make up for this by telling your friends about PV!

Our third issue

The third issue of PortVitoria is dedicated to Mario Vargas Llosa, the Peruvian-born Spanish writer who in 2010 won the Nobel Prize in Literature. Most people know Vargas Llosa as a world-renowned novelist whose books portray interesting aspects of the Latin American life.  However, Vargas Llosa is Latin America’s best known public intellectual, with a vast knowledge of Latin American history and literature. In spite of the vilification campaigns against him by the Left, his passion for fiction and non-fiction are underlined by his love for liberal democracy and individual freedom. Our review section has a review of his 2000 novel The Feast of the Goat, and of his 2010 non-fiction book ‘Sabres e Utopias’ (Sables y Utopias in Spanish). The first is the anatomy of a tyranny through the fictionalized account of Rafael Trujillo’s dictatorship in the Dominican Republic from 1930 to 1961. The second is a compilation of selected articles chosen and prefaced by Carlos Granés.

Norman Berdichevsky’s ‘The Left is Seldom Right’   

This is the title of the new book by Norman Berdichevsky, published by the New English Review Press in June 2011.

http://www.newenglishreview.org/blog_display.cfm/blog_id/33295

Norman is a member of the Editorial Board of PortVitoria and a regular contributor to it. ‘The Left is Seldom Right’ is an open criticism of the errors and pretences of the Left and how the left-leaning media has helped to disseminate such errors and pretences. It consists of twenty five chapters referring to various case studies of great crises –wars, alliances, conflicts, troubles, personalities and elections, in the United States, Europe, Latin America and the Middle East.

By examining the 25 cases Berdichevsky amassed strong first-hand evidence to support his charges against the Left such as its pretence to be the party which fights for the interests of the less well-off. This is a false image that stems from the linear model of political analysis contained in the expression ‘right versus left’, which to Berdichevsky is just a cheap cliché disseminated by the Left. As Berdichevsky shows in this thought-provoking book, most characteristics associated with the Left are also found in non left-wing politicians and that the only trait specific to left-wing politicians is their great disposition to promote radical changes. Norman Berdichevsky’s book costs US$19.95 and is available from

http://www.Amazon.com

Informal Education and Life Long Learning (LLL)

Promoting informal education through informative articles of interest to its Hispanic and Lusophone readership is one of the main objectives of PortVitoria.

Informal education, defined as the sort of education that lies outside the formal curriculum and which does not lead to a degree, has always been important to the industry and the commerce sectors, as shown through staff training initiatives. Another type of informal education is the ‘continuous education’ that colleges and universities provide, which in Portuguese is referred to as ‘extensão’.  Now there is also a broader and individually tailored form of informal education where learning is an open and life-enduring process known as ‘life long learning’, or LLL (in Portuguese: ‘aprendizado de vida’). What makes LLL different is that it is about free learning: learning for the sake of learning and for pleasure. In higher education this type of learning is known as ‘liberal education’.

Liberal education via LLL succeeds because the satisfaction one gets from learning acts as a feedback mechanism to seek further learning. Although LLL requires some coaching, it is essentially a self-didactic  activity based on reading books, especially those considered part of the Western canon. The development of broadband internet has made LLL possible and feasible. Now anyone can have access to the out-of-print books that formerly were only available in universities’ libraries.

The potential of LLL in supporting good democracy and a good society is greater than people realise. This is specially so in Latin America, where there is a growing number of power-seeking individuals who are attempting to cajole workers to support their organizations, including some that have associations with known terrorist groups.

Workers engaged in a LLL program of liberal education would be more likely to see what lies beyond the public display of inclusiveness and the screen of misinformation presented by some organizations and would not allow themselves be cajoled by them.

A Quotation about LLL

“…We must immediately expand our vision beyond standard educational institutions. In our cultures of today – and of tomorrow – parents, peers, and media play roles at least as significant as do authorized teachers and formal schools…if any cliché of recent years ring true, it is the acknowledgment that learning must be lifelong.” – Howard Gardner

Who is Howard Gardner?

Howard Gardner (1943- ) is a Harvard-educated American educationalist who specialised in human cognition and developed the theory of multiple forms of intelligence. In 1983 this was quite revolutionary because until then the only form of intelligence that was recognisable was the academic type, which was associated with being good in mathematics or in memorizing content. Gardner defined intelligence as ‘the capacity to solve problems or to fashion products that are valued in one or more cultural setting’ (Gardner & Hatch, 1989). To date the eight forms of intelligence that Gardner has  identified are:

  • Linguistic
  • Logical-Mathematical
  • Musical
  • Bodily/-kinaesthetic
  • Spatial
  • Interpersonal
  • Intrapersonal
  • Naturalistic

The above forms of intelligence identified refer to the ways in which individuals capture, retain and manipulate information. One important implication of Gardner’s theory of multiple intelligences is that  the intelligence of an individual is not fixed at birth but can be improved, increased, or transformed. Although there are still many gaps in Gardner’s theory, it has helped educators to reflect on their practices and to encourage other ways of teaching that explores the individuality of each pupil.

Gardner is an adjunct Professor at Harvard University and also teaches at the Boston University School of Medicine. He is also a rare example of the individual who succeeded in life in spite of being born cross-eyed, myopic, colour-blind and unable to recognise faces.

Why English?

An old friend from Brazil asked me why English is used in  PortVitoria if the magazine is aimed at speakers of Spanish and Portuguese. The answer to this question is that English was chosen due to its role as the world language. English provides a neutral bridge between the Hispanic and the Lusophone communities and between these two and the rest of the world. A second reason for using English is to further disseminate PortVitoria to learners of Spanish, Portuguese and English as second languages.

 Contributions

PortVitoria recognises that there are many talented writers out there and would like to tap into this pool of talents. If you are an essay writer or reviewer and would like to contribute to PortVitoria, please drop us a line with your complete or proposed article.

Acknowledgment

Many thanks to Tim Twineham for revising this edition of the PortVitoria Newsletter

Have a great day!

 http://www.portvitoria.com

 Joaquina Pires-O’Brien

 

Erros e dissimulações da Esquerda

Joaquina Pires-O’Brien

Resenha do livro The Left is Seldom Right de Norman Berdichevsky

New English Review Press and World Encounter Institute, Nashville, Tennessee. 2011.

ISBN: 978-0-578-08076-5. 283 p.

Disponível na livraria eletrônica www.amazon.com

Acabo de ler The Left is Seldom Right (A Esquerda Raramente Está Certa, sem tradução para o português), de Norman Berdichevsky, uma crítica aberta aos erros e dissimulações da esquerda e à cumplicidade da mídia na divulgação destes. O livro consiste de vinte e cinco capítulos referentes a estudos de casos diversos sobre grandes crises – guerras, alianças, conflitos, problemas, personalidades e eleições –, nos Estados Unidos, Europa, América Latina e Oriente Médio (Israel e Jihad). O reexame de tais casos pelo autor permitiu que ele recolhesse provas de primeira mão incluindo depoimentos testemunhais acerca das interpretações errôneas que contradizem a imagem benevolente que a esquerda goza graças à cumplicidade da mídia. Segundo Berdichevsky a dicotomia direita-esquerda é uma percepção inteiramente falsa a qual é perpetuada pela esquerda com a ajuda da mídia tendenciosa. Para ele, a enorme predisposição a mudanças radicais é a única característica específica dos políticos da esquerda, embora isso não queira dizer que aqueles que não têm a mesma predisposição sejam de “direita”.

O currículo de Berdichevsky mostra que ele tem o  conhecimento e o empenho para a tarefa de denunciar as falsidades e falácias associadas à esquerda. Tendo nascido e crescido na cidade de Nova Iorque, onde há uma grande concentração de pessoas que se identificam com a esquerda, Berdichevsky deixou a bolha nova-iorquina quando escolheu a Universidade de Wisconsin, em Madison, no Centro-Oeste americano, para fazer o PhD em geografia humana, obtendo seu título em 1974. A sua polimática carreira de escritor, ensaísta, resenhista, editor, pesquisador, tradutor e finalmente professor universitário é um testemunho à sua forte determinação em persistir na sua área de estudo apesar da falta de empregos – principalmente no setor acadêmico –, que caracterizou a década de setenta nos Estados Unidos. Tal circunstância levou Berdichevsky a morar em Israel, Espanha, Dinamarca e no Reino Unido, antes de retornar aos Estados Unidos. O resultado dos percalços profissionais fez dele um poliglota, que além do inglês, sua língua materna, fala o hebraico, o dinamarquês, o espanhol e um pouco de iídiche e de português. O seu livro não tem nenhuma ligação com sua atual posição acadêmica, uma vez que ele é professor de hebraico na Universidade Central da Flórida. Para Berdichevsky escrever é uma maneira de extravasar o seu cabedal intelectual e seu compromisso com a verdade.

No quinto capítulo, intitulado “The Gods that Failed” (Os Deuses que Erraram) Berdichevsky acusa a mídia de se desviar do seu papel primordial de informar, tanto no preconceito que aparenta a favor da esquerda quanto quando comete gafes e as ignora depois de alertada. Segundo ele, a mídia dos Estados Unidos e da Europa encontra-se imiscuída na crença de que, para ser liberal, tolerante e atuante, é preciso ir contra as marcas típicas da direita, como o nacionalismo, valores religiosos, e as visões provincianas tidas como sinônimos do preconceito. O título do capítulo é emprestado de uma antologia de ensaios de famosos pensadores ex-comunistas: Stephen Spender, R. H. S. Crossman, Arthur Koestler, Ignazio Silone, Richard Wright, Andre Gide e Louis Fisher, que se desiludiram com o Partido Comunista e a forma como este procurou manipular seus idealismos. A mudança de opinião desses notáveis pensadores mostra uma esquerda que não tem nada a ver com a imagem benevolente a esta associada.

Além de apresentar um viés a favor da esquerda, a mídia tem outro problema grave na grande quantidade de erros fatuais que são publicados. Segundo Berdichevsky, nem mesmo os gigantes como o The New York Times e a BBC estão livres desse tipo de erro, e ele mostra alguns exemplos.  Na sua capacidade de pesquisador consciencioso Berdichevsky lamenta a falta de conhecimento do público no sentido de reconhecer a crucial diferença entre fontes primárias de informação, oriundas de testemunhas que viram ou ouviram com os próprios olhos e ouvidos, e fontes de segunda mão do tipo “disse-me-disse”, que não são aceitáveis nos tribunais. Infelizmente, é grande o número de pessoas que aceitam sem questionar qualquer informação publicada nos jornais.

Em todos os estudos de casos analisados Berdichevsky identificou exemplos de memória seletiva que obscureceram contradições preexistentes assim como os casos em que a esquerda contribuiu ativamente para disseminar suposições erradas. A aliança forjada no início da Segunda Guerra Mundial entre Hitler e Stálin e que durou de setembro de 1939 a junho de 1941 mostra a incoerência da presunção de que Hitler e Stálin representavam políticas diametricamente opostas, o primeiro representando a extrema-direita e o segundo a extrema-esquerda. Outro exemplo é a falácia de que o antissemitismo é um traço característico da extrema-direita e não da esquerda, decorrente da argumentação errônea de que, se o antissemitismo é uma característica do Nazismo, e o Nazismo uma característica extrema-direita, então o antissemitismo é uma característica da extrema-direita. O antissemitismo foi uma constante do regime de Stálin, com exceção do  período em que a URRS se juntou aos países aliados depois de ser invadida pelas tropas alemãs, quando para ganhar a aprovação dos americanos, Stálin enfatizou o papel dos judeus que lutavam como cidadãos soviéticos.

Sobre a América Latina, Berdichevsky estudou dois casos: a duplicidade do apoio do Partido Comunista de Cuba aos governos de Fulgêncio Batista e de Fidel Castro e o Peronismo na Argentina. O caso de Cuba é montado através de depoimentos dos refugiados cubanos que fugiram para os Estados Unidos para escapar da ditadura de Batista e da influência comunista no seu governo, bem como da reconstrução da história do Partido Comunista de Cuba. O capítulo inteiro encontra-se disponível em português e em espanhol na revista eletrônica semestral PortVitoria (http://www.portvitoria.com/archive.html).  O caso do Peronismo na Argentina mostra um exemplo típico do populismo característico na América Latina onde o líder, depois de ganhar o apoio massivo do povo, passa a agir como ditador e seu governo é uma salada de políticas de esquerda e de direita. Eis algumas das perguntas e cogitações de Berdichevsky: “O Peronismo é um movimento da Direita ou da Esquerda? Ou, será que isso faz alguma diferença para aqueles que se opuseram ao seu regime? A Argentina sob Perón era anti-América e favorecia o Eixo nos primeiros anos da Segunda Guerra Mundial, e apenas relutantemente, ao ser pressionada, declarou guerra à Alemanha e ao Japão durante as últimas semanas do conflito. Tanto Juan quanto Eva Perón foram instrumentais em fornecer assistência para facilitar a fuga de muitos criminosos de guerra nazistas e o seu assentamento com falsas identidades na Argentina. Mesmo assim, o regime de Perón manteve os bons termos com a comunidade judaica, e manteve relações amigáveis com o Estado de Israel.

Conforme enfatiza Berdichevsky, a imagem da esquerda como sendo o partido que zela pelos interesses dos menos favorecidos é decorrente do clichê “direita-esquerda” criado e propalado pela esquerda. Trata-se de um modelo linear de análise política que a esquerda promove e que deixa de analisar os diversos fatores que agem como contrapeso à situação econômica como religião, etnicidade, memória histórica, sentimentos nacionalistas, solidariedades étnicas e morais e valores filosóficos. Essas falhas fazem com que não seja possível situar nesse espectro unidimensional onde ficaria, por exemplo, o anarquismo e o libertarismo, enquanto que muitos comportamentos não podem ser enquadrados nem na direita nem na esquerda. Existem diversos modelos alternativos que não só descrevem bem melhor as idéias políticas existentes, mas que também mostram que nenhuma idéia é absoluta da Direita ou da Esquerda. Um exemplo é o modelo tridimensional The Liberty Papers, de 2005 (http://www.thelibertypapers.org/2005/11/26/a-better-political-spectrum/) onde o eixo horizontal se estende do Socialismo ao Capitalismo e o eixo vertical do Individualismo ao Totalitarismo. Outro modelo apresentado por Berdichevsky é o do Compasso Político, (http://www.thoughtsaloud.com/essays/the-political-spectrum/), em cuja rosa-dos-ventos situam-se quatro conceitos políticos fundamentais: Liberdade, Servidão, Republicanos e Democratas.

Os dois modelos acima mostram a frivolidade em associar a “esquerda” com o partido político que zela pelos interesses das classes econômicas mais baixas ou menos favorecidas, a “direita” como sendo o partido das classes mais altas ou dominantes, e o “centro” como sendo o partido da classe média. Tais associações estão completamente fora da realidade, pois há muitos outros fatores que agem como contrapeso à situação econômica como religião, etnicidade, memória histórica, interesses nacionais, solidariedades étnicas e morais e valores filosóficos. Diversos outros mal-entendidos e enganos resultantes da terminologia “direita-esquerda” são também abordados neste livro.

A grande dificuldade de entender as questões levantadas por Berdichevsky é precisamente a inexistência de absolutos nos valores políticos: aquilo que pensamos ser da esquerda também ocorre na direita e vice-versa. Não se pode negar que as perguntas deste livro podem incomodar muita gente. Entretanto, trazem uma lição importante de que, embora não existam soluções definitivas para os problemas do Ocidente, estes podem ser manejados desde que haja verdade e sinceridade. Para isso é preciso fazer perguntas e procurar respondê-las e isso é precisamente o que Berdichevsky fez com este provocante mas iluminado livro.