An Introduction to Danish Culture: Book Review

Joaquina Pires-O’Brien

Norman Berdichevsky.  An Introduction to Danish Culture. McFarland & Company,   Jefferson (NC, USA) and London, 2011.  xv + 233 pp. $45.00. ISBN 978-0-7864-6401-2.

 An Introduction to Danish Culture is an incisive up to date analysis of Denmark and Danish culture by former long term resident Norman Berdichevsky, an American from New York whose credentials include a PhD in human geography from the University of Wisconsin, Madison. Berdichevsky acquired fluency in Danish during the time he lived in Denmark, from 1979-1985, and he remains in touch with the country and family living there. This book is a substantial contribution to the gaps in the English language literature about Denmark, covering the essential regional uniqueness of the country’s constituent parts including the overseas outliers of the Faroes, Greenland and Bornholm, biographies of eleven important historical figures and contemporary personalities including the Queen and the late great much beloved Danish-American humorist Victor Borge. It examines the Danish language, differences between town and country, the special mind-set of “coziness” known as hygge, cuisine, the famous pedestrianized streets and a look at the great historical epochs of the Viking age and the little known border dispute with Germany over Schleswig-Holstein. Of special interest for Jewish readers are the chapters on the Virgin Islands (former Danish West Indies) and why Jews have had such a long and fortunate relationship with their fellow citizens.

 Berdichevsky long standing love affair began with an actual one leading to marriage and his long term connection to the country. His earliest  notions of  Danish culture were formed as a result of ‘a healthier approach to social relations, love of the outdoors, rejection of the hard-sell American approach to commercial success, anti-militarism, modesty and anti-snobbery’. These were precisely the things that attracted him to Denmark but like other Americans, he discovered that there is also something “rotten in Denmark” as Hamlet became aware of. One can carry anti-snobbishness too far and many Danes including Hans Christian Andersen were driven from the country because by what is known as “janteloven”, an attitude of “anti-achievement”  that no one should excel too much because it puts others in a bad light.

 Part I deals with the Danish geography and its interface with the country’s economy, and transportation needs. Before its largest bridges were constructed to connect the main peninsula of Jutland to its two large islands, Fünen and Zealand, Berdichevsky explains how Denmark was a unique sea state dependent on a fleet of ferries that eventually became integrated with the railroads incorporating built-in railroad tracks on their decks. This innovation would allow the trains to enter and exit the vessel by rolling off onto the existing tracks. 

 Part II deals with culture itself, including language, pinpointing cultural tolerance as an important trait of the Danish people. An entire chapter is dedicated to the Jewish cemeteries around the provinces, with records of past Jewish enclaves and an explanation of why the Danish Jews largely assimilated as a result of tolerance. This is contrasted with the difficulties today of a recalcitrant Muslim population living in ethnic enclaves and reluctant to integrate.

 In a chapter dedicated to Danish-American relations, the author gives an account of the annual Rebild Celebrations to commemorate the American Independence Day. The venue is a 190 acre park outside the city of SkØrping, which was purchased by the Danish immigrant community of Chicago and donated to the Danish government. The idea for the initiative came from Max Henius, the son of a Polish Jew who in 1857 arrived in Denmark after a journey on foot from Poland, and later immigrated to the United States. The first time the Rebild Celebrations took place was August 5, 1912, and it attracted some 15 thousand people including the current monarch King Christian X, who actually received the deed of the property and turned it into the Danish American National Park. 

 This chapter also provides information on the American population who defined their ethnic origin as being ‘Danish’ in the last two censuses. Here are some examples of the factual information provided: most Danish-Americans are concentrated in California, Utah, Minnesota, Wisconsin  Washington and among many Mormons in Utah and Nevada. Only some 30,000 Americans continue to use the Danish language at home. This same chapter ends with the perceptions of Denmark by the Americans who work there and speak the language.

 Part III covers a selection of personalities which Berdichevsky elected to represent the best minds of Denmark. First on the list is world famous Hans Christian Andersen (1805-76), the writer of fairy tales and short stories (second only to the Bible in the number of translated works) with appeal both to children,  Piet Hein (1905-96), a true Renaissance genius who was an innovative philosopher, mathematician, poet, inventor and designer, and Søren Kierkegaard (1813-55), the philosopher who is often regarded as the father of existentialism. Lesser known figures are  Arne Jacobsen (1902-71), the father of Danish design, who created the famous Egg Chair and many other iconic furniture pieces. In contemporary science the big name is that of the eminent physicist Niels Bohr (1886-1962) who won the Nobel Price of Physics in 1922, and one of the founders of Quantum Physics who proved that an atomic bomb was possible.  Another important personality is Nicolai Frederik Severin Grundtvig (1783-1871), a multifaceted thinker, clergyman and educationalist whose influence in Danish society led him to be considered the Father of the Nation. He strove to realize opportunities for the education of ordinary people, in an age when education was a privilege of the rich, and inculcated the values of social responsibility and social participation. We must not forget Karen Blixen, author of “Out of Africa” (1985), the big Holywood hit film starring Merryl Streep, as it probably made Blixen the most well know Danish woman of all time.

 Part IV, the last one of this book covers the topics of politics and history. Around the first millennium, Denmark was already an established monarchy under the Viking king Canute (ca. 990-1035), who also had a claim over England, Norway and parts of Sweden. Relations with Germany are another topic covered extensively, from matters related to border demarcation to the relations with the Nazi regime and the fate of the Danish Jews.

 Dr. Berdichevsky demolishes the myth from Leon Uris’ book Exodus, that during the German occupation the Danish King Christian X wore an armband with the Star of David in solidarity to the Jews. More realistic and inspiring is the reality that thousand of Danes from every walk of life helped their Jewish countrymen at a moment’s notice, a much more dramatic story than the myth of the king. The final chapter portrays the sibling rivalry that exists between Denmark and Sweden which he compares to a similar one between Portugal and Spain, the two peninsulas that guard the entrance of Europe’s two major inland seas, the Mediterranean and the Baltic.

 This book is well  illustrated with photos, cartoons and other things that help capture much of the content of the text. The high price is its only drawback, although this is probably due to the book’s restricted niche market. In any case, for anyone interested in learning more about the Danish culture, it is a price worth paying. After all, this book does exactly what it says in its title. And does it quite well, providing a balanced and accurate description of the Danish culture.

Erros e dissimulações da Esquerda

Joaquina Pires-O’Brien

Resenha do livro The Left is Seldom Right de Norman Berdichevsky

New English Review Press and World Encounter Institute, Nashville, Tennessee. 2011.

ISBN: 978-0-578-08076-5. 283 p.

Disponível na livraria eletrônica www.amazon.com

Acabo de ler The Left is Seldom Right (A Esquerda Raramente Está Certa, sem tradução para o português), de Norman Berdichevsky, uma crítica aberta aos erros e dissimulações da esquerda e à cumplicidade da mídia na divulgação destes. O livro consiste de vinte e cinco capítulos referentes a estudos de casos diversos sobre grandes crises – guerras, alianças, conflitos, problemas, personalidades e eleições –, nos Estados Unidos, Europa, América Latina e Oriente Médio (Israel e Jihad). O reexame de tais casos pelo autor permitiu que ele recolhesse provas de primeira mão incluindo depoimentos testemunhais acerca das interpretações errôneas que contradizem a imagem benevolente que a esquerda goza graças à cumplicidade da mídia. Segundo Berdichevsky a dicotomia direita-esquerda é uma percepção inteiramente falsa a qual é perpetuada pela esquerda com a ajuda da mídia tendenciosa. Para ele, a enorme predisposição a mudanças radicais é a única característica específica dos políticos da esquerda, embora isso não queira dizer que aqueles que não têm a mesma predisposição sejam de “direita”.

O currículo de Berdichevsky mostra que ele tem o  conhecimento e o empenho para a tarefa de denunciar as falsidades e falácias associadas à esquerda. Tendo nascido e crescido na cidade de Nova Iorque, onde há uma grande concentração de pessoas que se identificam com a esquerda, Berdichevsky deixou a bolha nova-iorquina quando escolheu a Universidade de Wisconsin, em Madison, no Centro-Oeste americano, para fazer o PhD em geografia humana, obtendo seu título em 1974. A sua polimática carreira de escritor, ensaísta, resenhista, editor, pesquisador, tradutor e finalmente professor universitário é um testemunho à sua forte determinação em persistir na sua área de estudo apesar da falta de empregos – principalmente no setor acadêmico –, que caracterizou a década de setenta nos Estados Unidos. Tal circunstância levou Berdichevsky a morar em Israel, Espanha, Dinamarca e no Reino Unido, antes de retornar aos Estados Unidos. O resultado dos percalços profissionais fez dele um poliglota, que além do inglês, sua língua materna, fala o hebraico, o dinamarquês, o espanhol e um pouco de iídiche e de português. O seu livro não tem nenhuma ligação com sua atual posição acadêmica, uma vez que ele é professor de hebraico na Universidade Central da Flórida. Para Berdichevsky escrever é uma maneira de extravasar o seu cabedal intelectual e seu compromisso com a verdade.

No quinto capítulo, intitulado “The Gods that Failed” (Os Deuses que Erraram) Berdichevsky acusa a mídia de se desviar do seu papel primordial de informar, tanto no preconceito que aparenta a favor da esquerda quanto quando comete gafes e as ignora depois de alertada. Segundo ele, a mídia dos Estados Unidos e da Europa encontra-se imiscuída na crença de que, para ser liberal, tolerante e atuante, é preciso ir contra as marcas típicas da direita, como o nacionalismo, valores religiosos, e as visões provincianas tidas como sinônimos do preconceito. O título do capítulo é emprestado de uma antologia de ensaios de famosos pensadores ex-comunistas: Stephen Spender, R. H. S. Crossman, Arthur Koestler, Ignazio Silone, Richard Wright, Andre Gide e Louis Fisher, que se desiludiram com o Partido Comunista e a forma como este procurou manipular seus idealismos. A mudança de opinião desses notáveis pensadores mostra uma esquerda que não tem nada a ver com a imagem benevolente a esta associada.

Além de apresentar um viés a favor da esquerda, a mídia tem outro problema grave na grande quantidade de erros fatuais que são publicados. Segundo Berdichevsky, nem mesmo os gigantes como o The New York Times e a BBC estão livres desse tipo de erro, e ele mostra alguns exemplos.  Na sua capacidade de pesquisador consciencioso Berdichevsky lamenta a falta de conhecimento do público no sentido de reconhecer a crucial diferença entre fontes primárias de informação, oriundas de testemunhas que viram ou ouviram com os próprios olhos e ouvidos, e fontes de segunda mão do tipo “disse-me-disse”, que não são aceitáveis nos tribunais. Infelizmente, é grande o número de pessoas que aceitam sem questionar qualquer informação publicada nos jornais.

Em todos os estudos de casos analisados Berdichevsky identificou exemplos de memória seletiva que obscureceram contradições preexistentes assim como os casos em que a esquerda contribuiu ativamente para disseminar suposições erradas. A aliança forjada no início da Segunda Guerra Mundial entre Hitler e Stálin e que durou de setembro de 1939 a junho de 1941 mostra a incoerência da presunção de que Hitler e Stálin representavam políticas diametricamente opostas, o primeiro representando a extrema-direita e o segundo a extrema-esquerda. Outro exemplo é a falácia de que o antissemitismo é um traço característico da extrema-direita e não da esquerda, decorrente da argumentação errônea de que, se o antissemitismo é uma característica do Nazismo, e o Nazismo uma característica extrema-direita, então o antissemitismo é uma característica da extrema-direita. O antissemitismo foi uma constante do regime de Stálin, com exceção do  período em que a URRS se juntou aos países aliados depois de ser invadida pelas tropas alemãs, quando para ganhar a aprovação dos americanos, Stálin enfatizou o papel dos judeus que lutavam como cidadãos soviéticos.

Sobre a América Latina, Berdichevsky estudou dois casos: a duplicidade do apoio do Partido Comunista de Cuba aos governos de Fulgêncio Batista e de Fidel Castro e o Peronismo na Argentina. O caso de Cuba é montado através de depoimentos dos refugiados cubanos que fugiram para os Estados Unidos para escapar da ditadura de Batista e da influência comunista no seu governo, bem como da reconstrução da história do Partido Comunista de Cuba. O capítulo inteiro encontra-se disponível em português e em espanhol na revista eletrônica semestral PortVitoria (http://www.portvitoria.com/archive.html).  O caso do Peronismo na Argentina mostra um exemplo típico do populismo característico na América Latina onde o líder, depois de ganhar o apoio massivo do povo, passa a agir como ditador e seu governo é uma salada de políticas de esquerda e de direita. Eis algumas das perguntas e cogitações de Berdichevsky: “O Peronismo é um movimento da Direita ou da Esquerda? Ou, será que isso faz alguma diferença para aqueles que se opuseram ao seu regime? A Argentina sob Perón era anti-América e favorecia o Eixo nos primeiros anos da Segunda Guerra Mundial, e apenas relutantemente, ao ser pressionada, declarou guerra à Alemanha e ao Japão durante as últimas semanas do conflito. Tanto Juan quanto Eva Perón foram instrumentais em fornecer assistência para facilitar a fuga de muitos criminosos de guerra nazistas e o seu assentamento com falsas identidades na Argentina. Mesmo assim, o regime de Perón manteve os bons termos com a comunidade judaica, e manteve relações amigáveis com o Estado de Israel.

Conforme enfatiza Berdichevsky, a imagem da esquerda como sendo o partido que zela pelos interesses dos menos favorecidos é decorrente do clichê “direita-esquerda” criado e propalado pela esquerda. Trata-se de um modelo linear de análise política que a esquerda promove e que deixa de analisar os diversos fatores que agem como contrapeso à situação econômica como religião, etnicidade, memória histórica, sentimentos nacionalistas, solidariedades étnicas e morais e valores filosóficos. Essas falhas fazem com que não seja possível situar nesse espectro unidimensional onde ficaria, por exemplo, o anarquismo e o libertarismo, enquanto que muitos comportamentos não podem ser enquadrados nem na direita nem na esquerda. Existem diversos modelos alternativos que não só descrevem bem melhor as idéias políticas existentes, mas que também mostram que nenhuma idéia é absoluta da Direita ou da Esquerda. Um exemplo é o modelo tridimensional The Liberty Papers, de 2005 (http://www.thelibertypapers.org/2005/11/26/a-better-political-spectrum/) onde o eixo horizontal se estende do Socialismo ao Capitalismo e o eixo vertical do Individualismo ao Totalitarismo. Outro modelo apresentado por Berdichevsky é o do Compasso Político, (http://www.thoughtsaloud.com/essays/the-political-spectrum/), em cuja rosa-dos-ventos situam-se quatro conceitos políticos fundamentais: Liberdade, Servidão, Republicanos e Democratas.

Os dois modelos acima mostram a frivolidade em associar a “esquerda” com o partido político que zela pelos interesses das classes econômicas mais baixas ou menos favorecidas, a “direita” como sendo o partido das classes mais altas ou dominantes, e o “centro” como sendo o partido da classe média. Tais associações estão completamente fora da realidade, pois há muitos outros fatores que agem como contrapeso à situação econômica como religião, etnicidade, memória histórica, interesses nacionais, solidariedades étnicas e morais e valores filosóficos. Diversos outros mal-entendidos e enganos resultantes da terminologia “direita-esquerda” são também abordados neste livro.

A grande dificuldade de entender as questões levantadas por Berdichevsky é precisamente a inexistência de absolutos nos valores políticos: aquilo que pensamos ser da esquerda também ocorre na direita e vice-versa. Não se pode negar que as perguntas deste livro podem incomodar muita gente. Entretanto, trazem uma lição importante de que, embora não existam soluções definitivas para os problemas do Ocidente, estes podem ser manejados desde que haja verdade e sinceridade. Para isso é preciso fazer perguntas e procurar respondê-las e isso é precisamente o que Berdichevsky fez com este provocante mas iluminado livro.